Fernando Barenco

Por que não consigo fazer seguro para meu carro antigo?

seguro de carro antigo

Dificuldade para determinar o valor de mercado e a falta de peças de reposição são os principais fatores que impedem a contratação

Cerca de 80% dos veículos segurados no Brasil têm até cinco anos de fabricação. Já para os que têm entre 10 e 15 anos, contratar um seguro pode não ser tarefa fácil. A contratação pode até ser recusada.

Imagine fazer o seguro de um veículo com mais de 30 anos!

Para carros antigos, o que algumas seguradoras oferecem hoje é um seguro mais simples, que inclui só Responsabilidade Civil (no caso de um acidente, por exemplo, a seguradora cobre apenas o prejuízo do outro carro envolvido), e de quebra oferece um serviço de socorro e assistência 24 anos.

Tabela FIPE fora da realidade do mercado de clássicos

Mas afinal, porque não se consegue fazer um seguro completo para carro antigo, que inclua também roubo e acidentes?

A primeira dificuldade é o valor do veículo. As seguradoras usam como base de calculo para fazer o seguro o valor de referência, ou seja: a Tabela FIPE. Ocorre que ela lista apenas os modelos fabricados até 1985 e não são todos. Além disso, os valores constantes na tabela não condizem nem de longe com os preços de mercado de veículos clássicos (estamos falando de antigos, não velhos).

Por exemplo, na Tabela FIPE, um Chevrolet Opala Comodoro/Diplomata 4.1 1985 vale somente R$ 9.085,00. Você venderia o seu por este preço?

E como convencer a seguradora de que o seu VW Gol GTi 1989 — que pela FIPE custa R$ 8.935,00 — pode valer até  R$ 100 mil no mercado de colecionáveis?

Ainda falando de carros nacionais, se você quiser comprar um Fusca, vai encontrar valores que vão de R$ 5 mil a R$ 50 mil. Então, como determinar um valor na hora de fazer o seguro? Quando o modelo é mais antigo e não consta da Tabela FIPE, as seguradoras se baseiam nos preços publicados em anúncios. Então a variação é enorme, de acordo com a conservação e a originalidade do carro, o que pode dar margem a muita subjetividade.

Falta de peças de reposição

Outra dificuldade encontrada pelas seguradoras é a substituição de peças em caso de acidente. As seguradoras são obrigadas por lei a fornecer peças originais. Como você sabe, em geral peças novas genuínas para carros antigos não estão disponíveis em lojas, principalmente as de lataria e acabamento. Então, os antigomobilistas normalmente recorrem a peças usadas ou paralelas.

Por isso, o reparo de um carro antigo acidentado se torna difícil e caro para a seguradora, não compensando fazer a apólice.

Por esses motivos, de modo geral as seguradoras não aceitam segurar veículos com mais de 30 anos. E quando aceitam, o valor do prêmio (o quanto você paga mensalmente) é bem salgado, o que acaba inviabilizando a contratação.


Confira os valores de outros modelos antigos, segundo a Tabela FIPE

Alfa Romeo 2300 Ti 1985R$ 6.881,00
Chevrolet Chevette SL 1986R$ 4.537,00
Fiat 147 C 1985R$ 2.324,00
Ford Del Rey Ghia 1985R$ 2.794,00
Ford Escort XR3 1.8 1990R$ 6.302,00
Mercedes Benz 190E 2.3 1988R$ 13.190,00
Renault Twingo 1.2 1995 R$ 2.795,00
VW Gol LS 1985 R$ 3.589,00
VW Santana CL 1985R$ 2.795,00

Espalhe por aí!
  • 188
  •  
  •  
  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    189
    Shares

Fernando Barenco

É editor do Portal Maxicar. Emails para essa coluna: fernando@maxicar.com.br

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário