Repórter Maxicar

NSU/Wankel Spider: o primeiro carro do mundo com motor rotativo Wankel

NSU/Wankel Spider

Completando 60 anos em 2023, o pequeno conversível surpreendeu no Salão do Automóvel de Frankfurt de 1963

O NSU/Wankel Spider Foi uma das estrelas do Salão Internacional do Automóvel de 1963, em Frankfurt – Alemanha. Mas, a verdadeira sensação do conversível de dois lugares não era o seu belo design. Em vez disso, foram suas qualidades mecânicas que realmente entusiasmaram o público. Foi o primeiro automóvel do mundo equipado com motor rotativo Wankel.

O desenvolvimento do motor rotativo Wankel

O esquema de funcionamento do motor rotativo Wankel em propaganda da NSU na época (em Alemão)


O engenheiro alemão Felix Wankel começou a experimentar o controle de válvula rotativa para um motor de motocicleta no final da década de 1920. Em 1934, o primeiro motor rotativo ficou pronto. Felix Wankel trabalhou em sua ideia pelo resto da vida.

Durante a Segunda Guerra Mundial, Wankel conheceu o também engenheiro e chefe de desenvolvimento da NSU, Walter Froede no Instituto Alemão de Pesquisa Aeronáutica. Ambos partilhavam uma paixão pela inovação. Em 1951, um contrato entre a NSU e Wankel foi assinado e o trabalho conjunto de desenvolvimento do motor rotativo começou.

Inovação e ousadia

O primeiro resultado produzido pela cooperação entre NSU e Wankel foi um motor de motocicleta de 250cc controlado por válvula rotativa baseado nos modelos NSU Lux e Max. Com a forte tendência para os automóveis que surgiu em meados da década de 1950, a empresa logo se concentrou no desenvolvimento de motores para automóveis. Nesse ínterim, Wankel avançou no conceito, designando-o como motor de pistão rotativo (Drehkolbenmotor). Neste tipo de motor, um pistão oval de três pontas, também conhecido como rotor, gira dentro de uma carcaça quase circular que também gira.

Felix Wankel


Então, a NSU estendeu o seu contrato com Felix Wankel com o novo objetivo de desenvolver estes motores de pistão rotativo, comumente referidos pela abreviatura “DKM”. 1º de fevereiro de 1957 foi um grande dia na NSU: marcou a primeira vez que o DKM 54, o primeiro motor de pistão rotativo do mundo, deu partida em uma bancada de testes. Ele funcionou suavemente, impressionando os engenheiros de desenvolvimento. Porém, após 15 horas na bancada de testes, os primeiros problemas de vedação começaram a aparecer.

E assim, os engenheiros de desenvolvimento da NSU decidiram retrabalhar o conceito do motor desde o início. Para reduzir sua complexidade e aumentar as chances de uso do motor em um modelo de produção, o pistão agora giraria dentro de uma carcaça fixa. No início de 1959, este motor de pistão tortuoso (Kreiskolbenmotor), o KKM 250, foi acionado pela primeira vez na bancada de testes. Os engenheiros continuaram a avançar, refinar e melhorar o KKM 250.

Veículo de teste

Após anos de trabalho de desenvolvimento, o motor foi finalmente instalado pela primeira vez num veículo de teste: um NSU Prinz. Na época, o discreto Prinz verde-hera não causou grande impacto na fábrica de Neckarsulm; apenas alguns especialistas sabiam qual motor estava no compartimento na parte traseira. E assim, no verão de 1959, o carro com seu novo motor rotativo fez seu teste-drive. Pouco tempo depois, os engenheiros instalaram o sucessor do KKM 250, o KKM 400, em um NSU Sport Prinz.

O nascimento do NSU/Wankel Spider

NSU/Wankel Spider

Por causa do pouco espaço ocupado pelo motor, o NSU/Wankel Spider tinha dois porta-malas


Em setembro de 1963, pouco antes do Salão Internacional do Automóvel de Frankfurt (IAA), tudo na fábrica da NSU parou durante uma hora. Dr. Gerd Stieler von Heydekampf, então Presidente do Conselho de Administração, revelou aos funcionários o “NSU Spider”, o nome oficial do carro na época. Os aplausos foram grandes, assim como as expectativas. O novo carro esportivo chamou a atenção: a carroceria monocoque foi baseada em um design de Giuseppe “Nuccio” Bertone.

No IAA, o carro foi recebido com entusiasmo, principalmente pelo seu motor revolucionário, que pesava apenas 125 quilos, incluindo a transmissão, o alternador e o arranque. Ocupava tão pouco espaço que podia ser instalado sob o piso traseiro. O design significava que o Spider esportivo tinha um porta-malas dianteiro e um traseiro. Finalmente, o novo motor tinha vibração extremamente baixa e a NSU anunciou que funcionava tão silenciosamente quanto um seis cilindros.

NSU/Wankel Spider

A notícia de suas vantagens se espalhou rapidamente e logo alguns fabricantes de automóveis e motores recorreram à NSU para obter licenças para a nova tecnologia de motor rotativo, incluindo General Motors, Daimler-Benz, Porsche, Nissan, Toyota e Toyo Kogyo — hoje conhecida como Mazda.

O negócio de licenciamento era lucrativo para a NSU, mas as vendas do NSU/Wankel Spider eram lentas. Até julho de 1967, exatamente 2.375 unidades haviam sido construídas.

NSU Ro 80 e seu motor de rotor duplo

O NSU Ro 80 tinha motor rotativo de rotor duplo


Com um motor rotativo Wankel, agora de rotor duplo no novo Ro 80, a NSU fez outra tentativa de estabelecer esta tecnologia em 1967 – mas novamente sem o esperado sucesso de mercado. Hoje, porém, os carros NSU com motores Wankel são clássicos apreciados, principalmente por causa de sua raridade. E ainda contam a história do espírito inovador da tradicional marca NSU.

Texto e fotos: Audi Media Center / Audi Tradition

Deixe seu comentário!

CADASTRE SEU WHATSAPP PARA RECEBER.

Novidades dos Classificados

Volta Redonda 2024