10 Perguntas ao Presidente, com Fatima Barenco

Entrevista: Junior Passaline – AVA – Amantes de Veículos Antigos – Arraial do Cabo, RJ

AVA Arraial do Cabo

“Vejo no Antigomobilismo uma máquina de fazer amigos e resgatar a história”

Sua paixão pelos antigos vem desde bem pequeno, quase bebê… Vive em uma das principais cidades turísticas da Região dos Lagos do Rio de Janeiro, ele nos conta um pouco sobre sua vida. “Sou natural de Bom Jesus do Itabapoana RJ, moro hoje em Arraial do Cabo. Há 36 anos sou casado com Maristela, temos 2 filhos: Filipe e Mariana. Vim para Cabo Frio, com 14 anos, fui por 36 anos gerente de um grande banco. Minha esposa e meus filhos gostam dos meus brinquedinhos, curtem e andam”. Este mês tenho o grande prazer de bater um papo com o amigo e presidente da AVA – Amantes de Veículos Arraial do Cabo, Junior Passaline.


Em primeiro lugar, queremos conhecer da história AVA – Amantes de Veículos Antigos de Arraial do Cabo. Quando e como nasceu?

Passaline — A ideia começou depois do 1º Passeio de Fuscas e Derivados em Arraial do Cabo, que aconteceu em 2013. Depois desse evento fui ao 4º encontro do ASA em Saquarema e lá reencontrei o Waldemar Castro, de Cabo Frio, e ele me sugeriu que criássemos um clube. Eu pedi a ele uma sugestão do nome e ele disse “AVA”. Perguntei o que queria dizer “AVA” e ele disse “AMANTES DE VEÍCULOS ANTIGOS”. Por que “Amantes”?, questionei. “É que compramos muitas peças para nossos carros sem que as esposas saibam os valores”, Waldemar me respondeu! (risos)

Assim, em 2014 criamos o AVA ARRAIAL DO CABO e no mesmo ano também o AVA CABO FRIO. Eu, Márcio Lucena e Waldemar Castro. Em 2018, tive a ideia junto com outros amigos em criar AVA REGIÃO DOS LAGOS e hoje temos núcleos em várias cidades da região.

AVA Arraial do cabo

Com a esposa, Maristela


Está chegando a 7ª Exposição de Veículos Antigos de Arraial do Cabo. Como estão os preparativos para esse grande evento?

Passaline — Será o único nesta data no Estado do Rio, depois de 24 meses sem eventos devido a pandemia.

As expectativas são as melhores de todas as edições. A Prefeitura Municipal de Arraial do Cabo mais uma vez abraçou a ideia com toda infraestrutura e apoio e já passamos de 110 inscritos via cadastro digital. Cada inscrito receberá um Kit de boas-vindas e farão doações de alimentos para entidades carentes. Palco com músicas, sorteios e muito mais.

Além do evento anual, que outras atividades o clube realiza?

Passaline — O AVA, em nossa região já realizou diversos encontros, além do Anual: rali, forró na Serra Mar, no Parque Aquático de Araruama, festa junina, entre outros.

Como tem sido sua trajetória à frente do clube?

Passaline — As melhores possíveis, sempre buscando criar alternativas mesmo em tempo de pandemia, com parcerias com outros clubes realizando arrecadações de alimentos para ajudar a quem precisa e trazendo novos apaixonados para o movimento Veículos Antigos.


Nos encontros ouvimos muitas histórias do quanto significa determinada marca de carro para uma pessoa, das lembranças de infância e de muitas outras recordações. De onde vem sua paixão pelos carros antigos? E qual o seu xodó sobre rodas?

Passaline — Acho que tudo começou em Bom Jesus do Itabapoana RJ, quando tinha dez meses de vida, engatinhando na traseira da Chevrolet Brasil do meu pai, hoje tenho dois xodós: o Opala conversível, com o qual sempre viajamos, e um Ford Model A Phaeton 1929, que é uma paixão (na foto principal).

E tudo começou com a picape Chevrolet Brasil da família


Nos conte um fato marcante para você em uma das edições de seus eventos ao longo dos anos que mereça destaque.

Passaline — Foi quando em um evento, interagindo com os antigomobilistas no palco e fazendo vários sorteios, falamos: “Quem tiver a habilitação mais antiga vai ganhar um brinde!”. Apareceu o saudoso Sr. Dodô, com 57 anos desde a primeira carteira de habilitação. Ele sempre vinha com esposa dirigindo seu MP Lafer. Muito emocionante!

O Opala em um belo cenário da Região dos Lagos


A Placa Preta está de volta. Esse é um incentivo a mais para os antigomobilistas preservaram a originalidade de seus antigos?

Passaline — Nossa maior identidade é o reconhecimento, que identifica o quanto aquele veículo antigo possui mais de 80% de originalidade. Que na verdade é um resgate cultural da história. Vejo a FBVA desempenhando um trabalho sério e incansável na valorização do nosso movimento antigomobilista.

Qual a sua visão do antigomobilismo no Brasil no momento atual?

Passaline — Estamos muito bem representados pela FBVA junto aos órgãos competentes, buscando defender os interesses nos assuntos polêmicos e importantes do nosso mundo do antigomobilismo.


Para quem quiser se filiar ao clube, como deve proceder?

Passaline — Sou favorável a Federação, portanto, no momento somos uma confraria e assim sendo, temos um grupo de WhatsApp no qual recebemos todos aqueles que têm e gostam dos Veículos Antigos.

Nossa entrevista está chegando ao fim e deixo aqui com a palavra o amigo e presidente Junior Passaline, a quem agradeço imensamente pela participação e por poder mostrar um pouco mais sobre os clubes de carros antigos brasileiros. O espaço é todo seu…

Passaline — Vejo no antigomobilismo uma máquina de fazer amigos e resgatar a história sobre rodas. Sempre costumo dizer que o movimento antigomobilista tem três propósitos:

  1. O resgate cultural da história do antigomobilismo, na restauração e preservação das lindas e belas máquinas.
  2. Fazer e rever novos amigos nos encontros Brasil afora!
  3. Praticar a filantropia, fazer o que gostamos com nossos “brinquedinhos” e ajudar a quem precisa.

Deixe seu comentário!

Novidades dos Classificados