Repórter Maxicar

Mercedes-Benz 500 E completa 30 anos. Você sabia que ele foi projetado pela Porsche?

Mercedes-Benz 500 E

A Porsche foi contratada para projetar e montar esse veloz sedan esportivo pela então Daimler-Benz AG. Três décadas depois, dois dos envolvidos no projeto fazem uma retrospectiva

Depois de impressionar o público no Salão do Automóvel de Paris em 1990, o Mercedes-Benz 500 E (depois rebatizado de E 500) foi colocado à venda na primavera de 1991, combinando o conforto de um sedan de turismo com o desempenho de um carro esportivo. Para marcar o 30º aniversário do carro — e o fato de agora ter alcançado o status de clássico — o Museu da Porsche enviou dois membros da equipe envolvida em sua criação em uma jornada para descobrir a emocionante história de como ele foi desenvolvido.

Michael Hölscher, Gerente de Desenvolvimento de Projetos, e Michael Mönig, da Prototype Management, sentaram-se pela última vez no 500 E há quase três décadas. Hoje, eles têm 100 quilômetros para percorrer, passando por Zuffenhausen, Weissach e Sindelfingen pelo caminho. O percurso começa e termina no Museu da Porsche e, quando chegam, o 500 E está esperando do lado de fora, refletido no impressionante teto espelhado do prédio. O exterior tem acabamento em Preto Safira Metálico (código de cor 009), enquanto o interior é uma mistura de couro, madeira, guarnições coloridas das portas, bancos esportivos ajustáveis ​​eletricamente e um rádio cassete.


“Olhando para o carro hoje, é quase impossível acreditar que o design poderia ser tão perfeito 30 anos atrás sem o auxílio do CAD. Tenho um respeito enorme por meus colegas da oficina e, especialmente, por sua visão”, diz Hölscher enquanto olha o carro como um velho amigo que não vê há muito tempo. Ele e Mönig continuam agachados, maravilhados com as asas pronunciadas — uma das características que distingue o Mercedes-Benz 500 E dos modelos de produção da série 124.

Em 1988, a Porsche AG recebeu o contrato de desenvolvimento da Daimler-Benz AG em Untertürkheim, um distrito nos arredores de Stuttgart. A especificação técnica estabeleceu os requisitos para “projeto e desenvolvimento em série experimental do tipo básico W124”. O veículo seria equipado com o motor V8 de cinco litros e quatro válvulas do 500 SL. Em abril de 1995, 10.479 exemplares haviam sido construídos — todos de quatro lugares, porque o diferencial era tão grande que não havia espaço para suspensão no meio do banco traseiro.

Mercedes-Benz 500 E, um carro de turismo superior

Os dois homens ainda têm boas lembranças do 500 E até hoje. “Trinta anos atrás, dirigi até o Lago Constance com três colegas. Passamos a viagem inteira conversando. A certa altura, um deles olhou para o velocímetro e teve um grande choque ao perceber que o ponteiro estava marcando 250 km/h. Tínhamos afinado o chassis, os freios e o motor com perfeição, o que significava uma experiência de condução soberba garantida”, recorda Hölscher. Na época, houve muitas discussões sobre os freios, lembram os homens. Durante a fase de protótipo, a equipe optou por freios mais potentes do que os do veículo básico para garantir o equilíbrio ideal dos freios.

Com sua caixa de câmbio automática de quatro velocidades padrão, o 500 E – dependendo do ano do modelo – correu de zero a 100 km/h em apenas 6,1. Sua velocidade máxima foi limitada eletronicamente a 250 km/h. “Bastante potência, mas sem ostentação, dinâmica e luxuosa ao mesmo tempo. O 500 E não é um veículo vistoso. Representa um eufemismo puro e chama a atenção apenas à segunda vista”, diz Mönig sobre o modelo principal da série. Ele e Hölscher partiram para a segunda parada de sua jornada – o antigo prédio da Reutter – distante poucos metros do Museu da Porsche.

A montagem da carroceria no Edifício Reutter

Mercedes-Benz 500 E

Um passeio com o 500E para comemorar as três décadas de seu lançamento


“O pedido foi muito importante para nós a fim de garantir uma boa utilização da capacidade em Zuffenhausen e Weissach”, lembra Hölscher, encostado na parede de tijolos do antigo prédio da Reutter. A partir de 1990, as carrocerias foram fabricadas ali mesmo, no edifício Reutter de Werk 2 em Zuffenhausen. Este prédio estava vazio na época e oferecia espaço suficiente para uma linha de montagem de carrocerias para o Mercedes-Benz 500 E.

O procedimento foi claramente definido: a Mercedes-Benz fornecia peças de carroceria de Sindelfingen para Zuffenhausen. Em Werk 2, a equipe da Porsche montava as carrocerias com esses componentes e com peças fabricadas internamente, como as distintas asas dianteiras. As carrocerias então viajaram de volta para Sindelfingen, onde eram pintadas. Depois disso, os carros eram concluídos na Rössle Bau em Zuffenhausen, onde a montagem final e a instalação do motor ocorreriam. O processo de produção levava 18 dias, e cada 500 E fazia a viagem de Zuffenhausen a Sindelfingen duas vezes. “Do ponto de vista logístico, o envio e recebimento das peças do veículo foi um grande desafio. Afinal, as peças relevantes tinham que chegar ao lugar certo na hora certa”, explica Hölscher.

Lançamento de projeto no meio de uma crise

O momento da cooperação entre os fabricantes de automóveis sediados em Stuttgart não poderia ter sido melhor. A Porsche estava enfrentando uma crise devido ao declínio na receita dos negócios de exportação, queda na produção e indicadores-chave de desempenho que eram quase todos negativos. “Uma das lições do projeto nesses tempos difíceis foi que você deve sempre assumir todos os desafios. Conseguimos manter a equipe unida com encomendas como essas”, lembra Hölscher, que trabalhou na Porsche de 1982 a 2016, quando se aposentou antecipadamente. No início, a fabricante de carros esportivos produzia dez veículos por dia; devido à demanda, os responsáveis ​​logo aumentaram esse número para 20 em pouco tempo. “Aqui estamos no ponto 0, o berço do Mercedes-Benz 500 E”, diz Mönig. A instalação do chassi, caixa de câmbio e motor — um processo conhecido como ‘casamento’ — ocorreu no ponto 4, enquanto o ponto 8 foi a entrega.


Ver o veículo entrar em produção em série foi um dos melhores momentos para os dois homens que o testemunharam. Visitar o antigo prédio da Reutter traz de volta memórias. Hölscher: “O 500 E foi o primeiro projeto pelo qual fui responsável que entrou em produção em série. Três décadas depois, é como se eu estivesse vendo os veículos saírem da linha de produção.” Ele também lembra com carinho o fato de que sua equipe teve bastante liberdade para trabalhar por sua própria iniciativa. Além do fato de ambos serem apaixonados por carros e motocicletas, o que ele tem em comum com seu colega Mönig? “Nós nos encontramos naquela época através do 500 E e passamos a gerenciar vários outros projetos juntos. Foi uma grande parte da minha vida e muito importante”, diz Hölscher.

Desempenho surpreendente

No final da década de 1980, a Daimler-Benz AG contratou a Porsche como prestadora de serviços de desenvolvimento porque sua própria linha de produção para a série 124 em Sindelfingen era muito pequena. A carroceria mais larga do 500 E, que mais tarde foi renomeada para E 500 como parte de uma atualização do modelo, significava que a Daimler-Benz AG não poderia produzir o carro sozinha. A modificação do equipamento de produção não teria valido a pena para a empresa.

A intenção era que o Mercedes-Benz 500 E parecesse um W124 à primeira vista e, ao mesmo tempo, estabelecesse novos padrões — para os conhecedores, um sedan de alto desempenho como nunca visto antes. Era 56 milímetros mais largo que o veículo básico e 23 mm mais baixo. Na Porsche, o 500 E recebeu o título provisório de “Projeto 2758”.

Mönig, que trabalha para a Porsche há mais de 35 anos e foi responsável pela construção do protótipo do 500 E, assume o volante — mas não sem antes ouvir as impressões de seu ex-colega ao dirigir o carro: “Trinta anos se passaram e muito aconteceu na indústria automotiva nesta época, mas ainda hoje o 500 E não tem nada a dever. Seu manuseio é magnífico. A aceleração é excelente, os freios são ótimos e é um prazer dirigir este carro com seu caráter dinâmico. Eu realmente gosto do som bonito e discreto do motor de oito cilindros.”

Depois de chegar ao Centro de Desenvolvimento Weissach, Hölscher estaciona em frente ao que costumava ser o escritório de Engenharia de Design, conhecido como Hexágono. Foi uma das primeiras construções no local e é a terceira parada da viagem. “Estar aqui é como voltar para casa”, diz ele, enquanto entrega as chaves a Mönig para o resto da viagem.

Parachoque modificado: ar abundante para o V8


Weissach é onde a equipe de Mönig realizou todo o trabalho de desenvolvimento do 500 E no final dos anos 1980. Ele e seus colegas converteram manualmente os primeiros 14 veículos básicos. A partir do 15º veículo, a montagem ocorreu no Edifício 1, o protótipo da construção da época, com peças de carroceria recém-projetadas e peças de série modificadas. A produção de veículos de demonstração ajudou a Mercedes-Benz a tomar a decisão de dar início à produção em série. “Planejamos o desenvolvimento do 500 E aqui e trabalhamos muito para tornar possível encaixar o motor grande em um veículo comparativamente pequeno”, relata Hölscher. Para conseguir uma melhor distribuição do peso, a bateria foi retirada do compartimento do motor e instalada na parte traseira direita do compartimento de bagagem. Os sistemas de freio e escapamento foram modificados significativamente, e as asas e o acabamento do parachoque na parte dianteira e traseira foram renovados. O motor de oito cilindros respirava pela grade que rodeava os dois faróis auxiliares, de modo que tinha um suprimento de ar abundante. Com uma participação de desenvolvimento de 90%, a Porsche foi responsável por praticamente todo o trabalho necessário para a integração dos componentes de tração e veículo.

A viagem continua de Weissach a Sindelfingen, até a quarta parada da viagem. Mönig parece bastante empolgado ao volante. “Só tenho boas lembranças do veículo porque me deu muitas responsabilidades na época, quando era um jovem engenheiro. O 500 E foi e ainda é meu projeto favorito”, conclui. Mönig fala apaixonadamente sobre a sensação de leveza ao volante, sobre o poder audível, sobre a sensação de direção superior. Ele e seus colegas da Prototype Construction passaram muitos fins de semana em Sindelfingen. Graças ao enorme empenho de todos os envolvidos, também foi possível recuperar um atraso no apertado cronograma do projeto. “A colaboração com os colegas da Mercedes-Benz foi muito respeitosa, focada e em termos iguais e baseada em um grande desejo de sucesso”, ele lembra. Um momento-chave para ele foi o primeiro dia, diz ele, quando dirigiu até o local de Sindelfingen com seus colegas e várias peças de protótipo. “Isso foi muito especial.”

No caminho de volta para Zuffenhausen, ele apenas escuta o motor V8 com a janela entreaberta. Mais tarde, depois de estacioná-lo na oficina do Museu, ele teria muito a dizer sobre o desempenho superior que continua a diferenciar o Mercedes-Benz 500 E três décadas depois. Até então, ele simplesmente gosta da sensação de estar na estrada.

Texto: Astrid Böttinger – Porsche Museum
Fotos: Porsche Newsroom
Tradução e edição: Fernando Barenco


Veja também

Espalhe por aí!
  •  
  •  
  •  
  • 2
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    2
    Shares

1 Comentário

Clique aqui para postar um comentário