Repórter Maxicar

Ghia 450/SS: um muscle car italiano com o coração do Plymouth Barracuda

Ghia 450/SS

Raro conversível dos anos 1960 combina o design italiano de Sartorelli e Giugiaro com a potência e a confiabilidade da mecânica americana Chrysler

A história da criação do Ghia 450/SS é tão interessante quanto o próprio carro. Em março 1965 o jovem empresário californiano Burt Sugarman leu na revista Road & Track uma reportagem a respeito de um certo esportivo italiano criado pela Carrozzeria Ghia e com mecânica Fiat: o Ghia 230/S — cuja produção foi de apenas seis unidades: quatro coupês e dois conversíveis.

Sugarman teve então a ideia de criar um muscle car para o mercado norte-americano, mas que fosse sofisticado e tivesse o famoso design italiano. E aquele Ghia da revista seria um bom ponto de partida. Procurou então seu amigo John DeLorean (sim, o do carro-máquina-do-tempo do filme), que na época trabalhava da divisão Pontiac da General Motors.

Parceria Ghia/Chrysler

DeLorean não se empolgou muito com o projeto, mas encaminhou Sugarman para Bob Anderson, chefe da divisão Plymouth da Chrysler, que topou a parceria e despachou para a sede da Ghia, em Torino, um Barracuda novinho.

O Ghia 450/SS foi projetado por Giugiaro a partir do Fiat Ghia 230/S apresentado um anos antes


A partir do 230/S criado por Sergio Sartorelli, Giorgetto Giugiaro — então novo chefe de design da Carrozzeria Ghia — desenvolveu a carroceria do requintado conversível de capota rígida Ghia 450/SS. Do Plymouth Barracuda o carro italiano herdou muito mais do que apenas o seu potente motor MOPAR V8 273 4.5L (daí vem o nome ‘450’) de 273cv. Recebeu também o chassi (que foi adaptado, já que o Ghia 450/SS tinha entre eixos 25 cm menor), o câmbio automático de quatro velocidades, o diferencial, parte da suspensão e até o sistema elétrico.

Enfim, um carro de fato muito especial, com carroceria feita a mão, que somava o prestigiado design italiano à potência e confiabilidade da mecânica americana da Chrysler.

O Ghia 450/SS não teve o sucesso esperado

Burt Sugarman — que detinha os direitos exclusivos de importação para os EUA, esperava vender muitos Ghia 450/SS por lá. O carro ficou pronto rápido. Foi apresentado na Itália em 1966 e oferecido em algumas poucas revendas europeias. E foi posto à venda sob encomenda no mesmo ano também em algumas concessionárias da ensolarada Califórnia. Era nessa região americana que Sugarman apostava que acontecesse o grande ‘boom’ de vendas.

Mas por menos que o preço de um exótico e desconhecido conversível italiano, comprava-se um autêntico muscle car americano, cujas opções de marcas e modelos eram muitas. Então o esperado sucesso comercial do Ghia 450/SS não aconteceu. Entre 1966 e 1967 foram fabricados poucos carros: estima-se que somente 57. Hoje restam apenas 35 em todo o mundo.

Agora um dos primeiros exemplares fabricados, o de chassi BS4008, será vendido em leilão realizado pela Barrett Jackson, em Las Vegas, entre os dias 17 e 19 deste mês. Trata-se do lote nº 726 e oferecido sem valor de reserva. A expectativa é grande, já que outro exemplar foi vendido na Alemanha em 2019 por €110,000, o equivalente hoje a R$ 675.500.

Texto e edição: Fernando Barenco
Fotos: Barrett Jackson


Veja também

Espalhe por aí!
  • 356
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    356
    Shares

2 Comentários

Clique aqui para postar um comentário

ANUNCIE GRÁTIS!

Web Stories

Encontros de carros antigos Os carros mais “felizes” do mundo! Onde foram parar as nossas peruas?