Repórter Maxicar

Conquistando os EUA: 6 Kombis brasileiras em um único leilão

Kombis brasileiras leilão

São cinco exemplares personalizados da primeira geração, fabricadas entre 1971 e 1975 e uma da segunda, de 1979. Mega leilão acontece em julho, na Flórida

Recebemos aqui no Maxicar quase diariamente as newsletters da casa norte-americana de leilões Mecum Auctions. Uma que recebemos recentemente nos despertou interesse. Anunciava exclusivamente sete VW Kombis, disponíveis no mega leilão “Orlando Summer Special”, que irá acontecer na Flórida entre os dias 06 e 09 de julho e disponibilizará para venda nada menos que 700 veículos clássicos — a grande maioria fabricados nos EUA —, além de mais de uma centena de objetos de memorabilia.

As seis VW Kombis Brasileiras na newsletter da Mecum. A verde é alermã de 1969, mas parece a mais moderna


Observando as Kombis oferecidas, percebemos que seis delas eram brasileiras. Cinco do modelo “Corujinha” (T1) fabricadas entre 1971 e 1975. A restante era 1979 “Clipper” (T2), com portas laterais de abertura convencional.

 Diferenças Brasil/Alemanha

 Então não poderiam ter sido produzidas na Alemanha, já que lá a reestilização da Kombi aconteceu em 1967 e a porta lateral passou a ser de correr, modernidade que só chegou ao Brasil na década de 1990. É o caso do exemplar verde T2 da newsletter da Mecum, fabricada em 1969. Ou seja: curiosamente, a mais antiga de todas é justamente a que parece ser a mais moderna!

Todas Kombis brasileiras anunciadas nesse leilão são personalizadas. As “Corujinhas” estão descritas como tendo motores padrão original 1500. Já a “Clipper” tem motor 1600, disponível na Kombi Brasileira a partir de 1976, quando essa versão foi lançada.

Uma a uma, as Kombis Brasileiras do leilão norte-americano

A 1971 é vermelha e bege, tem as famosas 23 janelas, parabrisa “safari”, teto solar, bagageiro, rodas de liga leve, suspensão rebaixada. Todos os detalhes de acabamento são em preto fosco. O interior é marrom, com banco traseiro inteiriço, TV de 40 polegadas com videogame, sistema de som, volante estilo “banjo” e instrumentos especiais. Percebe-se em uma das fotos um pequeno adesivo de uma empresa de personalização do Brasil.

A 1972, azul diamante e branca, é a única que está anunciada explicitamente como sendo brasileira. Por fora tem quase o mesmo estilo da 1971, mas é mais “careta”. As rodas são as originais com calotas e pneus diagonais nacionais Firestone Campeão Supremo, velho conhecido dos amantes de Volkswagens. O interior também tenta seguir o padrão original, com bancos em dois tons forrados de vinil.

Não há uma 1973. A 1974 também é azul, num tom mais forte popularmente conhecido como “azul-calcinha”. Segue o mesmo estilo mais clássico da anterior, e com os mesmos acessórios. Em algumas fotos aparece ao lado de várias outras Kombis, possivelmente brasileiras também.

De 1975 são duas. Esse foi o último ano da “Corujinha”. A primeira é azul e branca e tem aquela carroceria tipo “semi-furgão”, sem as duas últimas janelas laterais, muito usada em ambulâncias e fins comerciais de uso misto. Foi transformada em motorhome pela Bob Iser, uma empresa com sede em São Paulo. Ganhou aquele teto elevado tipo as alemães Westphalia. Tem pia, geladeira, mesinha, bancos que se convertem em cama e ar-condicionado. Há ainda bagageiro com acesso por escadinha, estribos, quatro vidros laterais tipo basculante e parabrisa “safari”.

A outra 1975, vermelha e branca, também foi convertida em motorhome, mas o teto é solar e tem as janelinhas extras estilo “Samba”. Por dentro tem todos os equipamentos da anterior, mas parece não ter ar-condicionado. Os parachoques das Kombis dos anos 1950 dão um ar ainda mais vintage a esse exemplar.

Por fim, a “Clipper” 1979, que mantem a cor original bege em tom único. Por fora, nenhuma alteração muito significativa, exceto pelos dois bagageiros de teto e faróis de milha. Outro exemplar convertido em motorhome, com interior marrom em veludo e teto de madeira ripada. O acabamento do mobiliário é mais rústico, mas bem bacana também.

Seis VW Kombis brasileiras muito bonitas em bem restauradas e personalizadas, que certamente irão atrair o interesse de compradores nesse grande leilão de Orlando. Difícil apontar a mais bacana!

Não há nenhuma indicação nos anúncios, mas provavelmente pertencem ao mesmo vendedor. Os valores de reserva também não são informados no site da Mecum Auctions, pelo menos por enquanto. Mas certamente serão arrematadas por muitos milhares de dólares cada uma.

Mudando um pouco de assunto, por acaso encontramos também entre os mais de 850 lotes oferecidos, outro modelo brasileiro: uma Chevrolet 3100 Brasil 1961 amarela, em versão customizada. Algo que nunca havíamos visto em leilões do exterior.

São os nossos clássicos nacionais conquistando o Mundo!

Texto e edição: Fernando Barenco
Fotos: Mecum Auctions


Deixe seu comentário!

Novidades dos Classificados