Clube News

Morre Kaio Castro, criador de um dos principais encontros de ônibus antigos do Brasil

Kaio Castro

Portador de câncer, ele estava internado havia duas semanas, vítima da Covid-19. Kaio foi o fundador do 1º Clube do Ônibus Antigo Brasileiro

O antigomobilismo perdeu mais uma de suas grandes figuras. Morreu nesta madrugada Kaio Castro, fundador do 1º Clube do Ônibus Antigo Brasileiro e realizador da Expo Ver, Viver e Rever — um dos primeiros e mais importantes encontros de ônibus  e caminhões antigos de todo o Brasil.

Morador de São Paulo – Capital e então funcionário da Expresso Redenção, Antonio C. Kaio Castro realizou a primeira edição da Expo Viver, Ver e Rever, em 2004, dentro da garagem da empresa. O sucesso foi grande, já que na época exposições exclusivas de ônibus eram ainda modestas e incipientes no Brasil.

A partir de 2007 o evento passou a acontecer no Memorial da América Latina, sempre com grande repercussão, reunindo expositores não apenas de São Paulo, mas de outras partes do país. Em 2011 a Expo Viver, Ver e Rever passou a fazer parte do Calendário Turístico do Estado de São Paulo,  através de um projeto de lei do então Deputado Estadual Bruno Covas — hoje prefeito de São Paulo.

A última edição aconteceu em 2019, no Viaduto do Chá. Publicamos a cobertura, com fotos de Odair Ferraz.

Há alguns anos Kaio vinha lutando contra um câncer, que se tornou reincidente. Há duas semanas estava internado em São José dos Campos – SP, em tratamento contra a Covid-19, mas seu quadro se complicou e ele acabou não resistindo.


Veja também

Expo “Viver, Ver e Rever” de Ônibus Antigos – São Paulo, SP

Espalhe por aí!
  • 273
  •  
  •  
  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    274
    Shares

7 Comentários

Clique aqui para postar um comentário

    • Já teve alguém da sua família afetado pelo covid19. Se não teve sorte sua.
      Respeite as famílias que perderam seus entes queridos.
      Leia sobre o assunto, se informe.
      Por exemplo no Brasil antes da pandemia morria aproximadamente 80 mil pessoas por ano.
      Hoje estamos com mais de 400 mil mortes por ano.
      Será que tem que desenhar pra esses energúmenos?

    • Assim como o colega te respondeu na mensagem a baixo.
      Quem teve covid, ou teve um familiar vítima do covid sabe bem como é essa doença.
      Inclusive eu tive covid, fiquei internado, mas pela graça de Deus estou aqui, infelizmente teve várias famílias que não tiveram a mesma oportunidade. Segunda vai fazer 7 dias da perda de uma amiga da nossa família, que considerávamos como um membro da família.
      Ah! E só pra saber, algumas pessoas ainda fica sequelas da doença, dia 13 vai fazer 60 dias do primeiro sintomas que tive, e ainda não tenho olfato recuperado, tenho faltas de ar e cansaço, e dores de cabeça quase todos os dias.
      Não vai menos prezando essa doença, as suas variantes estão provando do que a mutação é destrutiva. Por ignorância de algumas pessoas o Brasil está sofrendo com essa doença. Outros países estão nadando de braçada quando o assunto é o combate, Israel é um exemplo com toda a população vacinada.

  • O momento é difícil para todos , Kaio foi mais um que perdeu a batalha, o que importa é que perdemos uma pessoa excelente. Sobre mortes entrem no site: http://www.cardiometro.com.br , e vejam quantas pessoas morrem do coração todos os anos. E ninguém fala nada, só se fala do vírus .