Repórter Maxicar

Miersch 356: o Porsche da Alemanha Oriental

Porsche Miersch 356

Embora a Cortina de Ferro dividisse a Alemanha, os fãs da Porsche na parte comunista do país ainda realizavam seu sonho de um carro esporte – e com a ajuda ativa do próprio Ferry Porsche

Era 17 de junho de 1953, apenas oito anos após o fim da Segunda Guerra Mundial, e os soldados soviéticos estavam novamente em marcha em Dresden. Tiros soaram nas ruas. Como em Dresden, cidadãos de toda a Alemanha Oriental estavam se levantando contra o regime comunista instalado pelos soviéticos. Por um breve momento, parecia que o povo poderia ter sucesso em ganhar sua liberdade, mas então a Volkspolizei (Polícia Popular da Alemanha Oriental) e o Exército Vermelho esmagaram o levante nacional. Dresden ainda estava marcada pelo bombardeio devastador que sofrera na guerra. Grande parte da cidade ainda se assemelhava a um deserto de pedra. Edifícios mundialmente famosos, como a Frauenkirche (Igreja de Nossa Senhora) e a Zwinger, um outrora magnífico complexo palaciano, estavam em ruínas.

Hans Miersch havia passado por muita coisa. Dez anos antes, o nativo da Saxônia havia se ferido gravemente na guerra e sua perna direita foi amputada. A pouco menos de 40 quilômetros de Dresden, na pequena cidade de Nossen, ele montou uma oficina de calçados femininos — um empreendimento ousado na parte comunista da Alemanha. A propriedade privada era desaprovada; grandes empresas foram nacionalizadas e se tornaram propriedade do povo. A economia planejada era a lei e a iniciativa privada representava um elemento indesejável.

Porsche Miersch 356

O Miersch 356 foi construido na Alemanha Oriental, sob chassi de um VW Kübelwagen

No entanto, Miersch não tinha intenção de ser privado de seus sonhos, seja na vida profissional ou em seus assuntos privados. No início dos anos 1950, ele descobriu o novo Porsche 356 em uma revista de automóveis da Alemanha Ocidental. Como ele lembrou décadas depois, “Desde o momento em que vi os primeiros modelos, eu soube: este é o meu sonho”. Mas seu sonho parecia inatingível. Os dois estados alemães eram mundos separados. Embora a viagem entre o Leste e o Oeste ainda fosse possível — o Muro de Berlim só foi construído em 1961 — a República Democrática Alemã (comunista) impôs muitas restrições ao comércio com a República Federal da Alemanha (capitalista). Mesmo um empresário como Miersch não tinha permissão para importar um carro.

Seu carro da empresa foi uma criação própria, construído com uma carroceria Hanomag e o chassi de um antigo veículo militar VW Kübelwagen (Tipo 82) — projetado por Ferdinand Porsche para a II Guerra Mundial, com tração traseira e capota conversível e quatro lugares. Nome interno VW Tipo 82. “O carro rodou maravilhosamente”, disse Miersch sobre seu veículo incomum. Equipado com um trailer — também construído por ele — viajou pelos ‘países irmãos’ da Hungria e da Polônia, entregando seus calçados femininos. Suas conexões chegavam até a Tchecoslováquia, o que mais tarde seria fortuito.

O Kübelwagen como o início de uma história mágica

Encontrar um Tipo 82 descartado não era particularmente difícil na RDA. Em meio à sua retirada desordenada em 1945, os soldados alemães tiveram que deixá-los para trás na margem oriental do Rio Elba para se salvar, nadando para o oeste. Assim, vários agricultores na área de Dresden tinham Kübelwagens em seus celeiros.

E é justamente o Kübelwagen que marca o início desta história mágica.

Os gêmeos Reimann foram responsáveis pelo projeto, executado por Arno Lindner. Na foto, com o Porscheli


Os irmãos gêmeos Falk e Knut Reimann, estudantes de 21 anos da Universidade Técnica de Dresden, haviam projetado um coupê na prancheta que se parecia muito com o Porsche 356. Eles encontraram um parceiro no fabricante de carrocerias Arno Lindner, que colocou o projeto em prática. Lindner construiu um esqueleto de madeira sobre o qual a carroceria poderia ser colocada e depois presa a um chassi.

Miersch ainda queria realizar seu sonho de ter um Porsche oriental. Então encomendou uma carroceria a Arno Lindner e adquiriu um chassi Kübelwagen para usar como base. Nesse ponto, porém, surgiu um problema sério que pôs em risco todo o projeto: nenhuma chapa aço de qualidade foi encontrada na Alemanha Oriental. Miersch acabou aproveitando seus relacionamentos na Tchecoslováquia para obter cerca de 30 metros quadrados de chapas. “Valia quase o mesmo que ouro.” Com uma espessura de um milímetro, era bastante pesada; o capô sozinho pesava quase 20 quilos. E como o chassi do Kübelwagen era cerca de 30 centímetros mais longo e consideravelmente mais largo do que a carroceria do Porsche 356, o Miersch 356 — como foi batizado — tornou-se um espaçoso quatro lugares. Fato que significou mais peso adicional.

O carro tem estrutura de madeira, recoberta com chapas metálicas. O chassi é Volkswagen


Miersch contrabandeou bens preciosos do oeste para o leste

A busca por peças para o chassi e o sistema de transmissão se transformou em uma verdadeira aventura. Um sistema de freios de Porsche 356 A foi adquirido do concessionário Eduard Winter, em Berlim Ocidental, através da mediação pessoal de Ferry Porsche. Miersch contrabandeou os bens preciosos do Ocidente para o Oriente “em uma maleta muito grande”, correndo riscos o tempo todo. Afinal, o contrabando era punível com longas penas de prisão na RDA. “Várias vezes ao dia” ele tinha que cruzar a fronteira sob o olhar escrutinador dos soldados da Alemanha Oriental; “Os tambores de freio, em particular, eram incrivelmente pesados”. Aos poucos, o carro foi tomando forma. Depois de sete meses, em novembro de 1954, o veículo de fabricação própria estava pronto para a estrada. Lindner cobrou 3.150 marcos da Alemanha Ocidental pela produção do corpo.

Inicialmente, o Miersch 356 era movido por um fraco motor boxer de 30 cv, que lutava com o veículo de 1.600 kg. O Porsche 356 original pesava apenas cerca da metade e tinha o dobro da potência do motor. Somente em 1968 Miersch conseguiu instalar um motor de porte adequado: um Porsche de 75cv e 1,6 litros. Ele foi autorizado a importar o motor desmontado — aparentemente um presente de um parente da Alemanha Ocidental — como peças sobressalentes automotivas.

O construtor Lindner produziu cerca de uma dúzia de outros coupês baseados no mesmo protótipo em meados da década de 1950; o número exato não é conhecido com certeza. O que é certo, porém, é que os dois designers, os irmãos Reimann, também mandaram construir um para eles. E também esperavam a ajuda de Ferry Porsche — e também a receberam. Em resposta aos Srs. Reimann, datada de 26 de julho de 1956, Ferry escreveu: “Para ajudá-los a sair dessa situação, enviaremos um conjunto de pistões e cilindros usados ​​conforme sua solicitação nos próximos dias, por meio da empresa Eduard Winter de Berlim.”  Ele desejou aos dois “boa sorte no recebimento das peças e uma condução agradável com o Porsche construído por vocês”.

O “Porscheli”

Enquanto puderam, os Irmãos Reimann realizaram extensas viagens pela Europa no esportivo projetado por eles mesmos e batizado de Porscheli (Porsche + Lindner). Para economizar dinheiro para o fundo de viagens, os gêmeos dividiram uma carteira de motorista durante anos. O estratagema nunca foi descoberto. Instantâneos dos dois ao longo dos anos os mostram com namoradas diferentes no Lago Genebra, em Paris e em Roma. No centro estava sempre o seu maior amor – o Porscheli. O estilo de vida dos dois não passou despercebido pelos onipresentes espiões do serviço secreto da Alemanha Oriental. Pouco depois da construção do muro em 1961, foram presos por supostas tentativas de fuga da Alemanha Oriental. Quase um ano e meio se passou antes que os dois fossem libertados da prisão.

O Porscheli foi encontrado em 2011 e inteiramente restaurado


Todos os vestígios do Porscheli ficaram perdidos por décadas. Foi só em 2011 que o colecionador austríaco Alexander Diego Fritz descobriu o carro e o salvou da ruína. Até onde se sabe, apenas dois daqueles Porsches da RDA foram totalmente preservados: o carro dos gêmeos, agora restaurado e de propriedade de Fritz, e o carro ainda original construído por Hans Miersch. Este permaneceu sempre nas mãos de seu primeiro proprietário, incluindo o número de registro RJ 37-60 original.

Quando a operação de fabricação de calçados de Miersch foi convertida em empresa estatal no início dos anos 1970 — em outras palavras, quando foi desapropriada — ele conseguiu salvar o carro da intervenção estatal. Miersch astuciosamente usou seu ferimento de guerra como uma justificativa para mantê-lo: “É um veículo personalizado, construído por mim mesmo, projetado especificamente para mim, uma pessoa com deficiência. A partir de então, o ex-proprietário da fábrica de calçados teve que ganhar a vida como trabalhador em uma fábrica de papel.

Porsche Miersch 356

Hans Miersch e seu Porsche Miersch 356 no início da década de 1990


Quando a história da RDA chegou ao fim, com a queda do Muro de Berlim, Miersch havia atingido a idade de aposentadoria. Ele permaneceu fiel ao seu amado carro, mesmo na Alemanha unida, embelezando-o meticulosamente e melhorando-o o tempo todo. Por fim, um motor de 90 cv de um Porsche 356 permitiu ao campeão dos pesos pesados ​​atingir um desempenho de direção razoável.

A venda do Porsche Miersch 356 para um entusiasta

Foi somente em 1994 que Miersch decidiu se separar de seu companheiro de vida. Ele encontrou um sucessor digno no entusiasta de Würzburg, Michael Dünninger. Sempre que Dünninger aparece com o Miersch 356, ele causa um certo rebuliço. “Muitos reconhecem a semelhança com o 356, mas ainda ficam perplexos com isso”, diz ele com uma risada. E com o tempo, ele também fez algumas melhorias. Por exemplo, mandou revestir os bancos com couro cor de conhaque e trocou o velocímetro pré-guerra de um Horch por uma peça original de Porsche.

Desde 1994 o Porsche Miersch 356 pertence a Michael Dünninger


O Miersch 356 permanece uma peça importante da história contemporânea. Desenvolvido em uma época em que o mundo estava dividido em leste e oeste. E em uma época em que as pessoas ainda podiam construir seus próprios sonhos automotivos.

Texto e fotos: Porsche Newsroom
Tradução e edição: Fernando Barenco


Veja também

Espalhe por aí!
  • 71
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    71
    Shares

1 Comentário

Clique aqui para postar um comentário

ANUNCIE GRÁTIS!

Web Stories

Onde foram parar as nossas peruas? Nosso conteúdo um junho – Carros antigos Carros diferentes, nomes iguais