Repórter Maxicar

Mini Cooper celebra 60 anos de glórias nas pistas

Mini Cooper 60 anos

Ele surgiu em 1961 pelas mãos de John Cooper. Se tornou um gigante nas corridas. Foi a bordo do Mini Cooper que Pat Moss ganhou seus primeiros ralis

Quando Alec Issigonis desenvolveu um novo carro para a British Motor Corporation, suas prioridades eram espaço e economia de combustível. Lançado em 1959, o Austin Mini clássico conseguiu unir tudo isso. Mas ganharia um lado inesperado em setembro de 1961, quando foi lançado o primeiro Mini Cooper.

Mini Cooper 60 anos

Alec Issigonis e o Austin Mini nº 1


O Austin Mini clássico seguia uma proposta racional: a de oferecer o máximo de espaço possível em um compacto com pouco mais de três metros de comprimento. O motor e câmbio transversais interferiam pouco na cabine, enquanto as rodas nas extremidades abriam espaço interno para famílias. Cada cantinho era aproveitado, com enormes porta-objetos nas portas e bancos com vão inferior para se levar pequenos volumes embaixo deles. A racionalidade ganhou uma inesperada dose extra de emoção na hora que o reconhecido engenheiro, preparador e construtor de carros de corrida John Cooper decidiu modificar o carro para transformá-lo em um monstro das pistas.

O nascimento do Mini Cooper

Cooper tinha o toque de Midas quando o assunto era preparação. A escuderia Cooper dominava a Fórmula 1 naquele período, seguindo a vitória dos campeonatos de 1959 e 1960. Não era apenas o mérito de pilotos como Jack Brabham, Stirling Moss e Bruce McLaren. O próprio projeto dos seus monopostos era revolucionário, uma vez que usavam motor central traseiro, algo exótico em uma categoria dominada por carros de propulsor dianteiro.

Mini Cooper 60 anos

John Cooper emprestou seu nome e talento de preparador para o Mini


Foi com o objetivo de dominar outras categorias que o mestre da engenharia se aliou ao amigo Issigonis para transformar o Mini em um gigante. Ele iniciou os trabalhos com a preparação do motor original de 848 cm³ e 34 cv de potência, que foi ampliado a 997 cm³ e passou a gerar 55 cv. Pode parecer pouco, mas temos que lembrar que o Mini Cooper pesava um pouco mais de 600 kg.

As rodas na extremidade e o pequeno entre-eixos eram aliados na hora de fazer as curvas, comportamento dinâmico que passou a ser associado ao de um kart no limite. Foi aí que nasceu o Go-Kart Feeling. A direção do Mini original já era ágil, mas se tornou ainda mais direta. O uso de homocinéticas ajudou a não perder tração ou ter movimentações indesejadas do volante. A revolucionária suspensão hidro-elástica reduzia a rolagem lateral e entregava precisão e estabilidade acima da média. Na medida para encarar circuitos de rali e competir com modelos bem maiores e mais potentes.

Pat Moss


O Mini Cooper fez história não apenas pelas conquistas, mas também pelas vitórias de duas mulheres muito especiais: as britânicas Pat Moss, irmã do lendário Stirling Moss, e Ann Wisdom. As conquistas de 1962 na Copa das Damas, a categoria feminina do Rali de Monte Carlo, e no Rali da Tulipa, na Holanda, foram as primeiras vitórias obtidas por mulheres na categoria. A dupla ainda venceria os Ralis da Alemanha e de Sderström, na Suécia. Curiosamente, Wisdom participou das provas enquanto estava grávida.

O “S”

John Cooper logo criaria uma versão Mini Cooper S. O motor passou a ter 1.071 cm³ e rendia 70 cv. Foi nessa época em que o predomínio do esportivo começou na série de ralis de Monte Carlo. A dupla Paddy Hopkirk e Henry Liddon ganhou o prêmio do rali em 1964 (foto principal). Foram eles que iniciaram a época dos Três Mosqueteiros, trio de pilotos formado pelo próprio escocês Hopkirk e pelos finlandeses Rauno Aaltonen e Timo Mäkinen.

Mini Cooper 60 anos

Rally de Monte Carlo, 1966


A vitória clássica de Hopkirk foi comemorada como poucas na Inglaterra. Além de ter recebido um telegrama de parabéns do governo britânico, Hopkirk também foi agraciado com uma mensagem dos Beatles e, posteriormente, uma foto autografada dos quatro membros da banda, que dizia: “Agora você é um de nós, Paddy”.

Foi em 1965 que Timbo Mäkinen e Paul Easter (co-piloto) levaram o novo MINI Cooper S 1.3 de 90 cv ao título após um longo e emocionante rali. Habituado a neve, o finlandês Mäkinen foi o único piloto que não recebeu nenhuma penalidade.

Em 1966, Mäkinen, Aaltonen e Hopkirk dominaram o Rali de Monte Carlo de ponta a ponta e ganharam o pódio, porém foram desclassificados por uma suposta irregularidade nos faróis, uma das maiores polêmicas da história dos ralis. A compensação viria no ano seguinte. Aaltonen e Henry Liddon (co-piloto) faturaram o primeiro lugar.

Texto: BMW Group Brasil
Fotos: Divulgação

Espalhe por aí!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

ANUNCIE GRÁTIS!