Repórter Maxicar

“Tubarão” Hatch, o Chevette que a Chevrolet nunca produziu

Tubarão Hatch

Projeto é de um mecânico do Rio, que transformou um Hatch 1980, que havia ficado parado em uma garagem por 17 anos

Nosso Chevrolet Chevette foi lançado em abril de 1973, ao mesmo tempo em que era apresentado na Alemanha seu irmão, o Opel Kadett C (3ª geração). Em seus primeiros anos aqui, a única versão disponível era a sedan de duas portas, com frente baixa e dois faróis redondos. Característica que acabou lhe rendendo o apelido de “Tubarão”.

Opel Kadett City: o hatch alemão


“Tubarão” Hatch: ele faltou aqui!

Enquanto isso, seu correspondente europeu dispunha de cinco versões: além da sedan (de duas e quatro portas), a coupê, a station wagon Caravan e o hatch City. Nunca tivemos no Brasil o Chevette coupê. Já a station wagon — aqui batizada de Marajó — e o Hatch somente foram lançados em 1980, dois anos depois de o Chevette passar por uma pequena reestilização, perdendo sua frente “Tubarão”.

E esses primeiros Chevettes (1973/1977) são justamente os mais admirados, valorizados e procurados pelos fãs do modelo. Apesar de não ter o mesmo desempenho de versões mais modernas, seu design mais retrô é o preferido.

E muitos entusiastas do Chevette se ressentem pelo fato de nunca termos tido um “Tubarão” Hatch — versão que curiosamente é conhecida entre os “chevetteiros” como “codorna”, uma alusão à sua traseira curta, lembrando a pequena ave e sua calda quase inexistente.

O projeto

Tubarão Hatch

Alex e seu Chevette 1980

Ford Verona GLX 1.8
R$ 30.000,00

R$ 85.000,00

VW Voyage LS 1.6 1986
R$ 50.000,00

Willys Jeep CJ2A 1948
R$ 105.000,00

Alfa Romeo 2300 Ti4 1985
R$ 95.000,00

MG TD 1953
R$ 190.000,00

VW Brasília 1976
R$ 39.000,00

Fiat Coupê 1995
R$ 60.000,00

Porsche 924 1977
R$ 169.000,00

Ford Escort XR3 1992
R$ 29.900,00


Mecânico de profissão e antigomobilista, o carioca Aleksandro da Silva Sabrosa, o Alex, alimentava há algum tempo a ideia de criar um Chevette “Tubarão” Hatch em sua própria oficina.

O primeiro passo do projeto foi encontrar um Hatch, já que seria mais simples alterar a sua frente, do que a traseira de um “Tubarão”, de três volumes. Depois de muita procura, encontrou um carro ideal para isso, bem pertinho de sua casa, no bairro de Vila da Penha, Rio de Janeiro.
— Esse Chevette tem uma história muito interessante. Ele ficou 17 anos jogado na garagem de uma professora aposentada. Eu comentei com um amigo também mecânico, que estava querendo comprar uma Marajó ou um Hatch para transformar em “Tubarão”. Depois de algum tempo ele me mandou uma mensagem sobre esse 1980. Pedi para ele ir saber se a proprietária queria vender. Mas ele me disse que ela nem podia ouvir falar nisso, que até xingava quem chegava lá querendo comprar (risos) — nos contou Alex.

No dia da compra, em fevereiro de 2020


Mas para sua sorte, os planos da tal senhora haviam mudado, já que ela precisava se mudar para o Rio Grande do Sul e não tinha como levar o Chevette.
— Fui até sua casa ver o carro na mesma hora. A garagem era semi-coberta e o carro pegava um pouco de chuva na frente e acabou ficando com pontos de ferrugem. Havia sido um presente do falecido marido dela. Tem manual e tudo mais. Comprei no dia 1º de fevereiro de 2020 e levei no mesmo dia. Mantenho contato com ela até hoje. Envio para ela vídeos e fotos e ela nem acredita que aquele é o mesmo carro… — completou.

A restauração e transformação


Tudo feito em sua oficina

A vontade de Alex de começar a empreitada era tão grande que no dia seguinte já começou a desmontar o carro e fazer a relação de peças a providenciar. Tudo foi feito em sua oficina. Segundo ele, a maior dificuldade foi encontrar peças de boa qualidade.

Upgrade mecânico

Além das alterações visuais, o “Tubarão” Hatch de Alex ganhou um upgrade mecânico também. O motor é um 2.2 8V com injeção eletrônica do Chevrolet Vectra. O câmbio é de cinco marchas com diferencial da Marajó 1989. Os freios ganharam discos ventilados do Fiat Palio Fire 2006 e pinças do Chevrolet Kadett 1997. A suspensão é preparada e as rodas de liga leve “boca de fogão” de época são de 17 polegadas. Ele ganhou ar condicionado também.

Hoje, o Chevette de Alex faz muito sucesso nos eventos ou aonde quer que ele vá.
—  A rapaziada gosta muito! Claro que têm aqueles que criticam também (risos). Mas os elogios são muitos e as perguntas então… É muito legal falar sobre o carro! — comemora.

Na traseira, nenhuma alteração. O motor é o 2.2 do Vectra. O interior também permanece bem original


Fotos: Aleksandro da Silva Sabrosa
Texto e edição: Fernando Barenco

Deixe seu comentário!

CADASTRE SEU WHATSAPP PARA RECEBER.

Novidades dos Classificados

Volta Redonda 2024