Colunista Convidado

Um anão na Copa

O que tem a saída de Portugal da Copa do Mundo e a indústria automobilística brasileira? Ligação histórica, como conto

Aos 16 de julho de 1966 Bulgária e Portugal jogariam na 8ª. Copa, em gramados ingleses. Portugal estreava Copa, e o time vinha se comportando magnificamente. O CR7 da época era Euzébio, atacante e capitão, recordista em gols no certame.

O embate seria dos poucos a ocorrer durante o expediente e, pela oportunidade, a Simca, fabricante dos modelos Chambord, sua evolução Tufão e EmiSul, localizada em frente à grande usina da Volkswagen em São Bernardo do Campo, SP, teve sensibilidade. Era conduzida latinamente pelo mercurial eng Jack Jean Pasteur, Diretor Geral, tipo Le Patron, e ele mandou pendurar os maiores televisores da época – 23 polegadas? -, enormes caixotes com um tubo posterior, imagens em preto e branco, na estrutura metálica dos galpões, permitindo aos colaboradores na linha de montagem, almoxarifado, escritórios, interromper o serviço para assistir ao jogo. Notícia dada em cima da hora e provocou manifestações de simpatia. Eram tempos de integração entre diretoria e funcionários, fim do primeiro ciclo da implantação da indústria automobilística nacional, produzindo novos carros velhos. À época os presidentes das empresas iam diariamente à linha de montagem para ver e ser vistos – um efeito demonstração de controle das operações.

O Caso

Foi-me contado por Fernando Antônio de Almeida, o Coe, filho do mítico Fernando Almeida, engenheiro aeronáutico recém-formado pelo ITA, da primeira leva dos contratados pela Simca. Fernando pai cresceu na empresa, dela chegou a engenheiro chefe, da sucessora Chrysler e da VW Caminhões. Coe contou, divertido, em depoimento para inédito livro por mim cometido sobre a marca, história sempre citada por seu pai, a parte do folclore das soluções da indústria em tempos de baixíssima tecnologia, em fábricas mal equipadas mandadas abaixo do Equador para fazer carros ínvios – sem caminho – em outras praças.

A Simca enfrentava mais um problema com o problemático EmiSul, entrada de água pela vedação do porta malas – além dos defeitos no comando de válvulas do motor, embreagem. Coisa insólita na velha carroceria, a mesma há quase uma década, pois o evento se dava longe da pequena alteração nas dimensões do vidro traseiro. Proprietários, concessionários, inspetores técnicos cobravam soluções à fábrica. O EmiSul era luxuoso, pretensioso em ser do segundo ciclo da indústria, sem ter sido trocado, e desde seu lançamento. Desde o lançamento, meses antes, era uma usina de problemas, desgaste para a marca, queda de vendas.

Sem maior aparato técnico, foram feitas inúmeras tentativas de aplicar calços, mudar borrachas de vedação, regulagens e dobradiças da tampa traseira, sem vedar a entrada de água. Por razões econômicas, impensável mudar os estampos da tampa do porta malas. Além do mais, seu novo teto, vidro traseiro maior e colunas C pré apresentavam partes do futuro Esplanada, seu sucessor.

Ante a falta de equipamento para verificar, alguém sugeriu colocar um colaborador dentro do porta-malas para ver o problema na origem. Sugestão boa e barata. Tentou-se, mas a questão estava no homem com estatura normal e sua pouca mobilidade. Foram ao cartesianismo: espaço pequeno, homem pequeno, um anão de circo. Pedido esquisito, mas o pessoal de RH resolveu: fora do expediente circense, o anão iria fazer um extra. Un bec, como se comentou entre os franceses da administração, rindo da improvisação brasileira.

Solução óbvia, prática e criativa, um homem pequeno, acostumado em seu emprego, a saltos, piruetas e contorcionismos. Com poderosa lanterna e pedaços de giz, observaria os pontos de infiltração, marcaria, deixando aos técnicos conclusões e soluções.

 “O método parecia certo e deu certo. O problema foi o processo. Após o almoço, com a chegada do anão, levaram um EmiSul para o local com bateria de testes, fora do prédio da linha de montagem. No espaço para prova de estanqueidade colocaram o anão e apetrechos no porta-malas do automóvel, equipe e supervisor se afastaram, ligando as duchas de alta pressão.

Entre barulhos e respingos do falso temporal, um colega chamou a turma para a surpresa de assistir ao jogo entre Portugal e Bulgária. Para esta o Brasil havia perdido, o time búlgaro machucou Pelé, e a partida seria definidora para a chave. Coisa atrativa.

Moral da história, ao receber a notícia, largaram Simca EmiSul e correram para conseguir bons lugares. Duas horas depois, jogo encerrado, voltaram ao local, e ouviram fracas pancadas e gritos abafados. Era o anão. Esquecido, suado, desesperado, fraco pela baixa oxigenação, sem conseguir soltar o encosto do banco traseiro e sair, após intensa sauna no compartimento fechado. Conseguiu deixar o porta malas, desidratado, mãos machucadas de tanto bater na tampa do porta-malas e pára-lamas, xingando a todos como gente grande.

Mas conseguiu marcar os pontos de infiltração, e o problema foi resolvido.”

De Copa, Portugal venceu a Bulgária por 3×0 e, logo em seguida, dia 19, por 3×1 embarcou nosso time pela Varig, rompendo a esperança de construção de tradição após ganharmos as Copas de 1958 e 1962.

Espalhe por aí!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Roberto Nasser

Jornalista e advogado, foi ele que propôs as portarias da famosa Placa Preta, da importação de veículos com mais de 30 anos e da isenção do pagamento de IPVA para automóveis com mais de 20 anos. Fundador e primeiro presidente da Federação Brasileira de Veículos Antigos — cargo que ocupou por dois mandatos — Nasser é o curador Museu Nacional do Automóvel - Brasília, além de prestigiado consultor e colunista especializado em diversos órgãos de imprensa.

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

ANUNCIE GRÁTIS!

Web Stories

Encontros de carros antigos Os carros mais “felizes” do mundo! Onde foram parar as nossas peruas?