Conteúdo Repórter Maxicar

John Lennon e seu Rolls Royce psicodélico

Lennon, seu filho e o Rolls Royce Phanton V, já completamente personalizado

DOCUMENTO

John Lennon e seu Rolls Royce psicodélico

Muito mais do que apenas um meio de transporte, o automóvel sempre foi tido como um símbolo de status. E a tradicional marca britânica Rolls Royce — ao lado de umas outras poucas em todo o planeta — é considerada o símbolo máximo do luxo e da sofisticação, da sobriedade e da classe. Mas um dia alguém ousou brincar um pouco com esse ícone automotivo.

Fabricado em 1965 pela Rolls Royce LTD, o Phanton V branco, chassi número 5VD73 e série FJB111C, foi entregue ao Beatle John Lennon no dia 3 de junho daquele ano. Medindo cerca de 6 metros de comprimento e pesando 3 toneladas, a Limousine começou a receber os primeiros acessórios e modificações apenas alguns meses depois. Em dezembro foi instalado um telefone móvel via rádio. Em seguida o carro teve o assento traseiro modificado, para converter-se em cama de casal. Seguiu-se um sistema de som sob encomenda, TV e frigobar.

jonlennonbco
A limousine, quando ainda era branca e “careta”

Em fevereiro de 1967, o Phanton já marcava cerca de 30 mil milhas em seu odômetro. Nesta época o carro já havia sido pintado de preto.

Mas Lennon ainda não estava nada satisfeito. A idéia de pintar o carro no padrão psicodélico foi dada pelo artista cigano holandês Marijke Koger. Em 1967 Koger, — que fazia parte de uma companhia de artistas chamada J.P Fallon —, estava hospedado na casa de John para pintar um piano e um vagão estilo cigano que ficava em seu jardim. John adorou a idéia de transformar o Rolls Royce em arte.

rollslennon5
Padrão floral usado na pintura

Segundo a versão original, a própria J.P. Fallon encarregou-se do trabalho, recebendo por ele £ 2.000,00. Mas de acordo com o pesquisador inglês Adam Bloomfield, sabe-se agora que Lennon realmente procurou a J.P. Fallon para a pintura, mas a empresa acabou terceirizando o serviço, contratando para o trabalho o artista local Steve Weaver que inclusive criou toda a concepção do desenho para John, a partir de sua visão. Steve recebeu pela pintura artística sobre a nova cor amarela do Rolls Royce apenas £ 290,00. Weaver já está morto, no entanto a sua filha confirmou que a concepção artística e a pintura original foi realizada para Lennon por seu pai. Para provar, ela apresentou a Bloomfield um recibo de 24 de maio de 1967 para a J.P Fallon, o desenho floral original usado como um padrão artístico para a pintura do automóvel, além do pedido de registro junto ao Instituto de Patentes, datado de 19 de junho do mesmo ano.

O carro psicodélico então recentemente pintado foi motivo de ultraje público. Conta-se que uma velha senhora atacou o carro a golpes de guarda-chuva, enquanto gritava: “Seus porcos, seus porcos! Como puderam cometer uma blasfêmia dessas contra um Rolls Royce?”. Prova da importância que a marca têm para os britânicos.

Os Beatles utilizaram bastante o Phanton psicodélico durante o auge da carreira do grupo, entre 1966 e 1969.

Lennon a bordo do Phanton V já nos tempos de Nova York

Em 1970, John Lennon e Yoko Ono levaram o automóvel para Estados Unidos, para onde se mudaram. O carro foi emprestado para diversas estrelas do rock tais como Rolling Stones e Bob Dylan.

Nesta época, Lennon e Yoko raramente utilizavam o carro. Por isso foi cogitada a possibilidade de vende-lo a um cliente americano. Porém, o negócio acabou não se concretizando e o Phanton V acabou sendo guardado em uma garagem de Nova York por um longo período.

Então, em dezembro de 1977, Lenon se viu em apuros com a receita federal americana, decidindo então doar o carro ao Cooper-Hewitt National Design Museum em troca de um desconto de US$ 225 mil em impostos devidos.

Entre outubro de 1978 e janeiro de 1979, o automóvel ficou em exposição pública, voltando em seguida a ser guardado em uma garagem em Silver Hill, Maryland. Lá, o carro iria permanecer, tendo exibições públicas apenas esporádicas. Isso aconteceu porque o museu não dispunha de recursos para manter um seguro que cobrisse a sua permanência em exibição por período integral.

Em junho de 1985 o Cooper-Hewitt National Design Museum decide leiloar o Rolls Royce. Foi escolhida para a tarefa a famosa casa de leilões Sotherby’s, que estipulou um lance inicial de US$ 300.000 pelo veículo que havia pertencido ao ex-Beatle. O carro acabou sendo arrematado pela surpreendente quantia de US$ 2.299.0000 por Jim Pattison, da Ripley’s International Inc., da Carolina do Sul, para exibição no Ripley’s “Believe It Or Not” Museum. Foi na ocasião o automóvel mais caro do mundo já vendido em leilão.

O Rolls Royce atualmente em exposição no Royal British Columbia Museum, no Canadá

O Phanton V foi emprestado à “1986 Expo” em Vancôver, cujo curador era o próprio Pattison. O automóvel então acabou sendo transferido definitivamente para o Canadá, já que Pattison possuía muitos negócios naquele país.

Em 1987 Pattison deu o Rolls Royce de presente à Rainha Elizabeth II, da Inglaterra, mas o automóvel no entanto ficou em exposição no Museu dos Transportes da cidade de Cloverdale, na província canadense da Columbia Britânica.

Em 1993 o Phanton V foi transferido para Royal British Columbia Museum, em Victoria, também na Columbia Britânica, onde permanece em exposição até hoje. Antes de ir para o seu definitivo lar, o Rolls Royce passou pela restauração de sua pintura, que apresentava sinais de desgaste e rachaduras. Para o trabalho foi contratada a empresa canadense Briston Motors, que conseguiu reparar os danos causados pelo tempo, sem perturbar o trabalho artístico original pintado a mão.

Atualmente o Rolls Royce de John Lennon encontra-se com cerca de 200 mil milhas rodadas, e mantém-se completamente original e em pleno funcionamento, como nos velhos tempos dos Beatles, para puro deleite dos eternos fãs.

Texto: tradução e adaptação de Fernando Barenco
Publicado por autorização de John Whelan, do Ottawa Beatles Site

Comentários do Facebook

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Novidades dos Classificados

Informativos pelo WhatsApp