Mosca Branca

Esplanada GTX, o último suspiro

Raríssima Versão esportiva criada pela Chrysler foi o último automóvel com DNA Simca no Brasil

No apagar das luzes de sua breve história no Brasil, a multinacional de origem francesa Simca lançava em 1966 o Esplanada (e sua variante popular, o Regente), que nada mais era do que a versão modernizada do Chambord, lançado em 1959. Mantinha o mesmo chassi, mecânica e praticamente a mesma carroceria, que sofreu mudanças apenas nas extremidades dianteira e traseira: o visual dos anos 1950, com ‘rabo-de-peixe’, dava lugar a linhas mais retas e angulosas, de acordo com o estilo em moda naquela década. O interior também foi modernizado.

Nas duas imagens é possível notar as diferenças e semelhanças entre o Chambord e o Esplanada

O Esplanada foi apresentado no Salão do Automóvel daquele ano e a essa altura, a Chrysler do Brasil já estava prestes a assumir os negócios da Simca por aqui. Não tardou para a nova dona da marca fazer diversas melhorias mecânicas e de estilo — segundo consta, foram 53 mudanças — para isso o carro foi enviado para a Matriz da Chrysler, em Detroit. Agora, Esplanada e Regente já exibiam emblemas e selos “made in Chrysler do Brasil”.

GTX nos testes da Revista Quatro Rodas

As vendas continuavam razoáveis e a Chrysler não apenas manteve a produção — enquanto preparava o lançamento de sua nova linha de automóveis, com ‘DNA’ próprio — como decidiu amplia-la com uma novidade. Nascia assim no finalzinho de 1968 a GTX, uma bela versão esportiva do Esplanada. O carro era basicamente o mesmo: mesma carroceria sedan de quatro portas e mesmo motor V8 Emisul de 140 cv, que fora herdado da última versão da Chambord (1966-1967). No quesito mecânico a única diferença ficou por conta do câmbio. O convencional de três marchas na coluna de direção, deu lugar a um 4 marchas no assoalho, como convém a um esportivo.

Por fora, faixas decorativas, molduras dos faróis e grade na cor preta, calotas cromadas e cores exclusivas: Vermelho Indianápolis, Verde Interlagos, Azul Le Mans e Cobre Turbina. O teto podia ser da cor do carro ou em vinil também preto.

Por dentro, bancos individuais reclináveis em couro, console em material imitando jacarandá, volante de três raios vazados e conta-giros.

Na propaganda, um GTX com falsas entradas de ar no capô e teto em vinil, itens opcionais

Foram produzidas apenas 631 unidades do Esplanada GTX, todos ano/modelo 1969. Em agosto daquele ano, os últimos modelos da herança Simca davam adeus, abrindo espaço para o lançamento do Dodge Dart.

Texto e edição: Fernando Barenco

A seção “Mosca Branca” fala sobre automóveis nacionais e importados realmente raros. Quer fazer uma sugestão de modelo para as próximas edições? Então use o espaço de comentários ai em baixo!


 

Comentários do Facebook

3 Comentários

Clique aqui para postar um comentário

  • Não sei se já saiu reportagem sobre isto, mas sugiro uma mosca branca de respeito :Jangada motor Emi Sul (As ultimas produzidas, não chegaram a uma centena) Meu pai teve uma,comprada do dono da revenda Simca aqui em Uruguaiana/RS.Só conheci esta e soube que foram tão poucas que foi oferecida uma para cada revenda do país.Fica minha sugestão

    • Obrigado pela lembrança. Pouca gente sabe que essa versão da Jangada sequer existiu. Tinha como característica visual a tampa da mala mais avançada, quebrando um pouco o estilo ‘rabo de peixe’ da versão anterior.

Novidades dos Classificados

Informativos pelo WhatsApp

%d blogueiros gostam disto: