Alexander Gromow Conteúdo Nossos Colunistas

Festividades pelos 60 Anos da Volkswagen no Brasil

23/03/1953 — 23/03/2013

Uma verdadeira “Festa de Arromba” na Sala São Paulo dia 20 de março

Desta vez vou escrever na primeira pessoa, pois participar deste evento foi um marco muito importante na minha carreira de trinta anos trabalhando em prol do Fusca e de sua incrível história.

O recebimento do e-mail pedindo minha confirmação para o comparecimento na festividade já foi como se eu tivesse ganho um grande prêmio. Não deu tempo para o convite formal chegar pelo correio e eu acabei recebendo o meu convite lá na festa, e que convite! Pensei em descrevê-lo em texto, mas vi que ia ficar difícil, ai eu decidi filmar uma breve apresentação deste lindo e intrigante item de coleção. Veja o vídeo abaixo.

A seleção dos convidados foi muito restritiva, muita gente acabou ficando fora do evento, e isto me deixou mais feliz ainda por meu nome acabar fazendo parte desta seletíssima lista de felizardos.

No dia 20 de março de 2013, uma quarta-feira, eu saí cedo de casa com destino à Sala São Paulo que faz parte do Centro Cultural Júlio Prestes, que é uma importante sala de concertos da capital. É o aproveitamento de uma antiga estação ferroviária. Chegando lá o sol estava se pondo e o contraste de luzes resultou em um lindo cenário. Na região muita segurança, e um batalhão de manobristas para cuidar dos carros. A entrada do evento, decorada, ostentava as bandeiras do Brasil, da Alemanha, do Estado de São Paulo e da Volkswagen (esta última foi uma companheira constante dos eventos que eu organizava em Interlagos).

Na entrada um corredor coberto para o caso de chuva e muita segurança

Logo na entrada, do lado esquerdo o logo dos 60 Anos apresentando o mote das festividades: “60 Anos de Inovação”; uma Tiguan e um Fusca 2013 decoravam a área de entrada.

A Sala São Paulo é um centro cultural muito sofisticado e suas salas têm uma arquitetura luxuosa e muito bonita. Logo na entrada o impacto da arquitetura clássica; é difícil imaginar que este luxo todo um dia abrigou uma estação ferroviária.

Do Hall Principal olhando para o Café no fundo, depois dos arcos. Já na entrada se descortinam ambientes suntuosos, como este salão onde ficava a recepção aos convidados e o controle dos tão desejados códigos de barras que liberavam a entrada

Em todas as salas grandes painéis, separados em décadas, apresentavam em foto e vídeo informações interessantes sobre a trajetória da Volkswagen no Brasil. Este material muito bem feito bem que mereceria ser preservado como uma exposição permanente em alguma das áreas da Fábrica Anchieta para que visitantes pudessem se informar sobre esta interessante e importante história. Logo na entrada estava o painel dos “Anos 50”:

A seleção deste material já é o resultado do importante trabalho de re-catalogação do acervo histórico da Volkswagen do Brasil, trabalho ora em curso na Fábrica Anchieta

Um evento como este sempre traz a oportunidade de rever amigos e no meu caso ocorre um fenômeno interessante, pois estou em contato com a Volkswagen do Brasil desde a década de 80. Com isto eu fiz contato com várias gerações de funcionários e neste evento eu tive a grata satisfação de cumprimentar pessoas de gerações anteriores como o Miguel Jorge e pessoas de hoje com quem estive como o Fábio Gonçalez Rebelo, o Gilberto dos Santos, o André Senador e vários outros a quem eu parabenizo aqui pela linda festa. Com a foto abaixo eu reverencio a todos eles.

Foto com o amigo de longa data, o Renato Acciarto, hoje na Volkswagen do Brasil. Nós nos conhecemos desde o tempo que ele trabalhava na Matel e me entrevistou nos tempos do Sedan Clube do Brasil

Os convidados confraternizaram antes da parte formal e das apresentações musicais e em todos os ambientes um fino serviço de bufê era oferecido pela Volkswagen. Na antecâmara do auditório duas gerações estavam presentes, um fusca “split-window” e um novíssimo Fusca 2013.

Um público elegantemente vestido no salão que serve de foyer para o auditório e um “split-window” em frente a um Fusca 2013. Um total de 1.000 convidados pôde curtir esta noitada memorável

O público se dividiu em três salões, o da entrada, o foyer e um terceiro salão muito grande, onde também foram colocados painéis com dados históricos e carros. Todos os três salões mais o auditório tem uma arquitetura imponente.

Salão chamado Estação das Artes. Um ambiente realmente adequado à importância e requinte do evento que deu início às comemorações dos 60 Anos da Volkswagen no Brasil

Posso afirmar sem medo de errar que ninguém deixou de ser muito bem servido nesta festa. Bebidas finas, tanto vinhos como destilados de primeira qualidade eram servidos à todos. Sem esquecer de uma gama completa de refrigerantes. Na gastronomia pratos dignos de um grande Chef de Cuisine foram servidos como se vê no exemplo abaixo.

Neste delicioso prato uma generosa porção de caviar atendia aos paladares mais requintados

Chegando próximo ao horário de serem abertas as portas de acesso ao auditório, eu fui conduzido à área reservada para a imprensa onde me acomodei para aguardar o início da cerimônia propriamente dita. A abertura foi feita pela mestre de cerimônias Izabella Camargo que chamou o Coral da Gente para entoar o Hino Nacional Brasileiro.

Ao fundo, de azul, Izabella Camargo no púlpito dos oradores e em primeiro plano as crianças do Coral da Gente que é subvencionado pela Volkswagen do Brasil

O primeiro a falar foi Thomas Schmall, Presidente e CEO da Volkswagen do Brasil, que com seu discurso fez uma resenha dos 60 anos da Volkswagen no Brasil.

A beleza e amplitude da Sala São Paulo. No palco, os instrumentos da orquestra, acima um telão de alta resolução e à esquerda o púlpito dos oradores, onde Thomas Schmall inicia seu discurso ilustrado por fotos e vídeos. O púlpito tinha equipamentos modernos, como duas telas de tele-prompter e um televisor de feed-back para o orador. Olhando com atenção no canto direito inferior desta foto pode ser vista a minha mão segurando a câmera com a qual gravei este discurso

O discurso do Thomas Schmall foi importante no contexto do evento e, apesar das condições precárias de iluminação e de captação de som eu o gravei e apresento abaixo.

Seguiram-se os discursos do Michael Macht, responsável pela área de produção mundial do grupo Volkswagen, Luciano Coutinho – do BNDS representando o Governo Federal e Guilherme Afif Domingos, representando o Governador Geraldo Alckmin. O discurso do Guilherme Afif Domingos foi muito bom, ele falou com conhecimento de causa, pois ele tem um Fusca que pertencia a uma tia, que o levava ainda menino para passear. E hoje ele, com o mesmo Fusca, leva seus netos para passear. Um relato emocionado de um real apaixonado pela marca num discurso muito bem proferido. Eu me lembro que durante um tempo ele participou do Sedan Clube do Brasil sempre com este Fusca de estimação.

A Volkswagen fez uma homenagem a alguns de seus funcionários que faziam aniversário no dia 20 de março que era o dia da festa, certamente foi um bom pretexto para cantar o “Parabéns a Você” com o afinado apoio das crianças do Coral da Gente. Todos os convidados presentes também cantaram.

Apesar do aniversário do estabelecimento da Volkswagen no Brasil ocorrer no dia 23 de março, durante a festa foram homenageados alguns de seus funcionários que faziam aniversário no dia 20, o dia deste evento…

Seguiu-se uma apresentação da orquestra conduzida pelo maestro Júlio Medaglia que brindou o público com belas peças musicais eximeamente executadas.

Das músicas apresentadas pela orquestra do maestro Júlio Medaglia eu destaco o Trenzinho Caipira – uma composição de Heitor Villa Lobos e parte integrante da peça Bachianas Brasileiras nº 2. Foi a melhor interpretação desta obra que eu ouvi até hoje!

Finalizando a parte musical, ocorreu a apresentação da cantora Ana Carolina, cujo CD foi ofertado como brinde aos convidados na saída do evento. A contar pelos aplausos, os convidados apreciaram muito esta parte do evento.

Ana Carolina foi acompanhada pela orquestra Júlio Medaglia e apresentou vários de seus sucessos. A captação de som da orquestra e do canto foi excelente valorizando em muito o espetáculo

Um evento destes é sempre uma boa ocasião para reencontrar os amigos e estes não faltaram, como foi o caso do Bob Sharp que veio acompanhado de seu filho, e de muitos outros como o caso do trio da foto abaixo.

Três figuras carimbadas tanto da imprensa automotiva brasileira, como do antigomobilismo. Da esquerda para a direita: Emílio Caranzi, Roberto Nasser e Boris Feldman. Destaque para a gravata borboleta do Nasser, que sempre “customiza” suas gravatas conforme o evento e no caso veio com uma gravata cheia de Fusquinhas e com sua habitual simpatia…

Terminando este relato ou gostaria de agradecer mais uma vez à Volkswagen do Brasil pela honrosa distinção de me ter convidado para este evento. Como eu costumo ressaltar em minhas palestras, parte da história antiga da Volkswagen eu estudei, e continuo a estudar, nos livros, mas, a partir de um determinado momento eu passei a ser testemunha ocular dos acontecimentos, como foi a volta do Fusca em 1993, sua saída definitiva em 1996 e assim por diante. Agora eu tive a oportunidade de presenciar esta emblemática comemoração, fato que me encheu de orgulho e de satisfação. E, como não podia deixar de ser, teve bolo de aniversário que eu fiz questão de comer.

Aqui estou, simbolicamente, oferecendo o bolo do aniversário de 60 anos da Volkswagen no Brasil a todos vocês. Neste dia de festa eu tirei do armário o emblemático blazer vinho que me acompanhou em muitos dos significativos eventos ligados ao Fusca de que participei. Ele tem dado muita sorte…

Fotos: Alexander Gromow, Eduardo Gedrait Pires e Divulgação VW

___________________________

DE ESTAÇÃO FERROVIÁRIA A CENTRO CULTURAL DE NÍVEL INTERNACIONAL

A estação original foi inaugurada em 10 de julho de 1872 pela Estrada de Ferro Sorocabana e denominava-se Estação São Paulo. Sua função era transportar sacos de grãos de café do Sudoeste e Oeste Paulista e Norte do Paraná para a capital. A antiga estação ficava ao lado da Estação da Luz, o que facilitava o bandeamento do café para a São Paulo Railway, a única ferrovia que fazia o trajeto da capital ao Porto de Santos.

Ao enriquecer-se com o transporte de café, decidiu-se construir uma estação nova e maior. A atual estação foi projetada por Cristiano Stockler das Neves em 1925 no estilo francês Luís XVI.

Concluída em 1938, época em que ônibus já circulavam em São Paulo, houve certo declínio na utilização de bondes e trens. A quebra da bolsa de Nova York em 1929 e o término da hegemonia da monocultura cafeeira também afetaram grandemente as ferrovias paulistas. Ademais, devido à construção de auto-estradas e maior rapidez de locomoção via carros particulares e ônibus intermunicipais e interestaduais, o público deixou de tomar trens da FEPASA, novo nome da falida Estrada de Ferro Sorocabana, de e para a estação. Afinal de contas, a viagem era longa com frequentes atrasos, devido a problemas mecânicos. Assim, os tempos de glória da estação duraram muito pouco. Em 1951 teve seu nome alterado em homenagem ao ex-presidente do Estado de São Paulo, Júlio Prestes.

No interior da estação existe um jardim clássico francês de 960 metros quadrados, embora no projeto original o espaço devesse ter sido ocupado por um hall cercado de colunas em estilo coríntio e coberto por vitrais — a falta de verbas inviabilizou o imponente hall.

A estação foi abandonada pouco tempo depois. Na década de 1990, o governador Mário Covas, atendendo a um pedido do regente da Orquestra Sinfônica de São Paulo John Neschling, decidiu restaurar a estação de maneira que o local onde antigamente localizava-se o jardim fosse convertido em uma sala de concertos, a Sala São Paulo.
Atualmente o subsolo deste centro cultural serve aos trens da Linha 8 da CPTM.

O Centro Cultural Júlio Prestes, que se localiza na antiga Estação Júlio Prestes, na cidade de São Paulo, foi inaugurado no dia 9 de julho de 1999. O edifício foi completamente restaurado e remodelado pelo Governo do Estado como parte do projeto de revitalização do centro da cidade. A Sala São Paulo tem uma capacidade de 1.498 lugares e é a sede da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP).

É palco para apresentações sinfônicas e de câmara e foi concebida de acordo com os mais atualizados padrões internacionais. Muitos especialistas consideram a Sala São Paulo uma das salas de concerto com melhor acústica no mundo, comparável à de muitas salas dos Estados Unidos ou da Europa, mundialmente conhecidas, como o Symphony Hall de Boston, o Musikverein, em Viena, e o Concertgebouw, em Amsterdã.

A renovação começou em novembro de 1997, mas os primeiros passos foram dados em 1995. O Governador Mário Covas visualizava a Estação Júlio Prestes como um espaço ideal para apresentações sinfônicas, uma vez que faltava ao Brasil lugares adequados para este tipo de apresentação e principalmente porque a Orquestra sinfônica do Estado de São Paulo não possuía um centro permanente.

___________________________

Comentários do Facebook

Alexander Gromow

Ex-Presidente do Fusca Clube do Brasil. Autor do livro EU AMO FUSCA e compilador do livro EU AMO FUSCA II. Autor de artigos sobre o assunto publicados em boletins de clubes e na imprensa nacional e internacional. Participou do lançamento do Dia Nacional do Fusca e apresentou o projeto que motivou a aprovação do Dia Municipal do Fusca em São Paulo. Lançou o Dia Mundial do Fusca em Bad Camberg, na Alemanha. Historiador amador reconhecido a nível mundial e ativista de movimentos que visam à preservação do Fusca e de carros antigos em geral. Participou de vários programas de TV e rádio sobre o assunto. É palestrante sobre o assunto VW com ênfase para os resfriados a ar. Foi eleito “Antigomobilista do Ano de 2012” no concurso realizado pelo VI ABC Old Cars.

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Novidades dos Classificados