Conteúdo Repórter Maxicar

De “operário” a veículo histórico

História

De “operário” a veículo histórico

Conheça o Candango da Ponte Rio-Niterói

A Ponte Presidente Costa e Silva, mais conhecida como Ponte Rio-Niterói, é a maior construção deste tipo no Brasil, com 13,29 quilômetros de extensão, e que constitui uma importante ligação não apenas entre a cidade do Rio de Janeiro e Niterói, mas também entre a capital fluminense e o interior do estado, sobretudo a Região dos Lagos. Além disso, faz parte da BR-101, rodovia que liga o Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul. Seu fluxo médio é de cerca de 135 mil veículos/dia.

A bordo do Candango, o então Ministro dos Transportes, Mário Andreazza (de amarelo) inspeciona as obras da Ponte Rio-Niterói

Enquanto quem passa pela Ponte está normalmente preocupado em chegar em casa ou no trabalho, nosso destino é outro. Vamos conhecer um carro muito comentado, mas visto por poucos. Um automóvel que desperta a curiosidade dos antigomobilistas, especialmente os “vemagueiros”: um jipe DKW Candango, produzido pela Vemag em 1961.

Mas este não é um Candango normal. O jipe em questão foi o primeiro carro a atravessar a Ponte Rio-Niterói, no dia 4 de março de 1974, levando o então Ministro dos Transportes Mário Andreazza e demais autoridades da época. Além do feito histórico, o DKW Candango também era utilizado durante as obras pelo ministro para inspecionar os trabalhos. Após a inauguração, o jipe recebeu merecida aposentadoria e desde então é cuidadosamente guardado no Museu da Ponte, próximo à praça do pedágio.

Tivemos a oportunidade de conhecer o museu, atualmente administrado pela concessionária Ponte S/A, que tem visitas restritas a estudantes de nível escolar ou graduandos em engenharia, além de engenheiros de toda parte do mundo. Um salão de pequenas dimensões, porém repleto de referências sobre a construção e história deste marco da engenharia brasileira. Durante a visita ao museu é possível conhecer diversas curiosidades sobre sua construção — que durou 5 anos —, manutenção, reportagens da época da inauguração, fotos históricas ou mesmo outras mais recentes após a privatização, sinalizadores que são usados sobre as pistas e até uma maquete da época.

Além do carro, o Museu mostra a história da maior ponte do Brasil

Ali no pequeno salão também repousa o Candango, conservado exatamente como no dia em que entrou para a história. O aspecto impecavelmente limpo e os pneus cheios destacam o cuidado dos responsáveis pelo acervo do museu. A carroceria de cor laranja, além dos adesivos da ECEX (Empresa de Construção e Engenharia de Obras Especiais) — estatal responsável pela conclusão da obra — e DNER, possui diversas assinaturas feitas por jornalistas que cobriram a inauguração da Ponte, ou mesmo o nome dos veículos de comunicação para os quais trabalhavam. Por ter sido um carro de trabalho com 13 anos de bons serviços prestados na época da inauguração, possui algumas pequenas marcas do tempo ou de reparos, além de modificações, como a ausência do pára-brisa. Tais detalhes demonstram que o Candango não foi restaurado desde que chegou ao museu, o que impressiona pelo seu excelente estado de conservação geral e fazem este jipe ser ainda mais interessante. Sobre o capô, uma antiga foto do ministro Mário Andreazza inspecionando as obras com engenheiros, a bordo do Candango de placas AA-8882 que liderava uma caravana formada principalmente por algumas Veraneio e Rural.

A inauguração da Ponte foi destaque nos principais jornais do país e ganhou selo comemorativo

Até mesmo por se localizar em um salão fechado e climatizado, o motor não é colocado em funcionamento há anos. Uma curiosidade é que as dimensões das portas do museu impedem que o Candango seja retirado de lá, pelo menos não sem um planejamento prévio e um certo esforço.

Saímos de lá com as nossas expectativas superadas, conhecendo não só um pouco mais da história de uma via tão importante, mas também com a certeza de que ainda existe no Brasil mais interesse em preservar nosso acervo de carros antigos e históricos do que imaginamos.

O Programa de Visitação do Museu da Ponte é aberto às escolas, universidades e instituições técnicas que queiram conhecer a história da Ponte Rio-Niterói. As visitas devem ser previamente marcadas e os interessados devem ligar para (21) 2718-9120.

Agradecimentos: gostaríamos de agradecer aos assessores de comunicação da concessionária Ponte S/A, Raquel Alves e Marco Barbosa, pela excelente receptividade e esclarecimentos prestados durante a nossa visita.

Texto e fotos: André Grigorevski

Comentários do Facebook